A sua empresa convence com neuromarketing?

Compartilhe esse conteúdo!

Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Ouça nossa playlist enquanto lê nosso conteúdo! 🎧

Você já passou por isso pelo menos uma vez na vida… foi numa loja, solicitou algum produto e a vendedora disse que aquela peça era sua cara, e mesmo que você não tenha gostado, você leva ao provador para não chateá-la. Muitas vezes ocultamos a nossa verdadeira opinião para não magoar ninguém. 

Nos negócios não é diferente, em formulários de satisfação e pesquisas, nem sempre eles conseguem identificar as verdadeiras opiniões dos consumidores. Na prática, isso significa que o nosso processo de tomada de decisão não é tão racional quanto costumamos imaginar.

Por isso, cada vez mais precisamos entender melhor o que influencia e move as decisões do consumidor, é onde surge o Neuromarketing. Nele estudamos o comportamento humano através do processamento de informações pelo cérebro. Ele também explica o motivo de diversas decisões que tomamos, principalmente na hora da compra.

O neuromarketing faz toda diferença na estratégia de campanhas para uma empresa. Isso porque nos ajuda a compreender alguns pontos. Continue a leitura que iremos explicar quais são! 

Disponível em: giphy

Você sabia que tem 03 cérebros? 

O processo de tomada de decisões, não acontece de forma tão racional quanto imaginamos, esse processo inicia-se no inconsciente, quando determinamos alguns estímulos específicos, eles agem de formas específicas no cérebro.

O cérebro pode ser dividido em 03 partes: 

Cérebro Reptiliano: controla tudo aquilo que é responsável pela nossa sobrevivência (necessidades fisiológicas), como respiração e batimentos cardíacos. Ele é ativado por emoções primitivas como medo, fome e raiva. 

Cérebro Límbico: processa emoções mais complexas, é responsável por armazenar dados. Ele é ativado por sensações envolvendo os 5 sentidos, esses são: a visão, o olfato, o paladar, a audição e o tato.

Neocórtex: essa é a parte que acreditamos utilizar nas tomadas de decisão já que é a parte que controla o raciocínio e o nosso lado social.

O marketing, com base nessas informações que são desenvolvidas a partir do estudo do neuromarketing, criam ações específicas para que alguma, dessas 03 partes do cérebro sejam ativadas, de acordo com o objetivo da campanha. Onde a partir disso, o consumidor será influenciado nas suas tomadas decisões para a compra de diferentes produtos. 

Portanto, cada parte do nosso cérebro é ativado com determinados estímulos, esses são: 

Cor

Você sabia que cada uma das cores afetam as nossas emoções de uma maneira completamente diferente? Se eu te perguntar, qual a majoritária cor que as empresas do ramo alimentício sempre utilizam, você provavelmente acertaria de primeira!

A escolha da cor vermelha, não foi decidida através de achismo. Isso aconteceu por que através do estudo do neuromarketing, foi descoberto que o vermelho pode evocar tanto raiva e perigo, quanto paixão, apetite e acolhimento. Além disso, o segredo da tendência para consumir determinados produtos está mais ligado ao cérebro do que o estômago. 

Sendo assim, um dos grandes aliados de estratégias de marketing, é o estudo do neuromarketing. Porque escolher as cores que vão compor a paleta da campanha é uma tarefa que pode trazer um alto risco para o resultado da campanha, quanto pode ser um sucesso, isso ocorre por que cada cor está ligada a uma emoção, sendo assim influencia diretamente como o consumidor irá se sentir. 

Fonte

Será que a escolha da fonte utilizada em posts nas mídias sociais, anúncios em mídia paga ou sites influenciam na compra? A resposta é sim! O estudo de neuromarketing, também comprovou que fontes mais simples, cujo estilo tipográfico é chamado de “sem serifa” (são conjuntos de famílias tipográficas iguais essa do texto), são bastante utilizadas em jornal, redes sociais e conteúdos no blog, como esse, pois, facilitam a leitura e compreensão da mensagem. 

Sendo assim, elas funcionam melhor quando é necessário convencer alguém a tomar uma ação, como comprar. E utilizando uma combinação de cores, fontes, tamanhos de texto e outras informações, é possível elaborar um site mais atrativo e aceitável para os consumidores.

Disponível em: giphy

Texto X imagem 

Quando vamos ao mercado, vemos produtos de diversas cores e texturas. Entretanto, quando vamos à sessão dos matinais e vemos embalagens de cafés parecidas, é bem provável que iremos olhar primeiro para o pacote mais diferente da prateleira.

Isso corre por que o cérebro se apega a cores, sons, texturas, cheiros, enfim, tudo que gere de alguma forma sentimentos e emoções. Por isso, conteúdos visuais são os preferidos da maioria das pessoas e, sem dúvida, isso se deve ao fato de compreendermos com muito mais facilidade imagem do que palavras.

Como o cérebro toma as suas decisões de forma inconsciente, estimular esses sentidos faz toda a diferença na hora do seu consumidor definir a sua compra.

Disponível em: giphy

Você já tomou decisões no piloto automático? 

Quando entramos em um ecommerce à procura de um produto, como uma blusinha… em meio à tantas escolhas, acabamos decidindo o que comprar no “piloto automático”, um outro exemplo é quando subimos as escadas conversando e quando percebemos já chegamos, sem ao menos perceber como demos todos os passos. Essas ações acabam se tornando automáticas e inconscientes

Para convencer o cliente, utilizam-se gatilhos mentais, estes influenciam nas decisões que o nosso cérebro toma “no piloto automático”. Por isso, em anúncios é importante colocar as palavras certas para garantir a persuasão. As principais palavras que chamam o cliente para o produto são:

  • • Gratuito (quem resiste a essa palavra?);
  • • Limitado (não posso ficar sem isso!); 
  • • Você (fala direto com o cliente);
  • • Fácil (alerta de descomplicação);
  • • Encerrando (faz com que o cliente pense na urgência);
  • • Não perca (o medo de perder a oferta impulsiona a venda).

Essas palavras garantem a persuasão, pois, ninguém gosta de perder, ainda mais num momento como esse: Você está pensando em fazer um curso, ao ver um post nas redes sociais da instituição que está oferecendo o curso dizendo “Últimas vagas para o curso x”. Nesse momento um processo de decisão será iniciado, porém, será tomado primeiro no inconsciente e só depois vêm à consciência, normalmente acompanhada de uma argumentação racional. 

Isso quer dizer que, para toda e qualquer decisão que for tomar, é dividida em 03 partes: 

  • • Seu cérebro decide o que você vai fazer;
  • • Essa decisão aparece na sua consciência, o que transmite a sensação de que você está tomando a decisão de forma racional;
  • • Você age de acordo com a decisão tomada. 

Isso ocorre por que os gatilhos mentais ultrapassam a barreira do neocórtex e vão direto para o sistema límbico, engajando as pessoas e dando a motivação necessária para a ação. Por isso que o gatilho mental da escassez funciona tão bem, pois, através do neuromarketing descobrimos que a grande maioria das pessoas prefere não perder essa quantia a ganhar, mostrando uma clara aversão à perda.

Gostou do nosso conteúdo sobre neuromarketing? Deixe nos comentários.

Fonte das imagens: https://giphy.com/

Leia os conteúdos anteriores:

Letícia Sthéfani

Letícia Sthéfani

Letícia é gestora de mídias sociais na Index DC. Acadêmica de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda na instituição de ensino Unigran.

Deixe seu comentário!

Inscreva-se em nossa Newsletter!